“Viver Nu Prazer”

“Viver Nu Prazer”

Novembro 8, 2022 Não Por Biodanza Nuno Pinto

Decidi começar com um trocadilho que nos colca na pureza da nudez, do prazer do ser. Preconceitos e repressões à parte, a sexualidade em Biodanza remete-nos para uma vivência de prazer alargada: o prazer de viver, respirar, amar, criar, comer e beber, viajar e desfrutar de tudo o que de bom a vida oferece. Numa elaboração mais ampla, o tema ajuda cada um a tomar contacto com questões mais profundas da sexualidade.

Nas Escolas de Biodanza SRT, a sexualidade é um módulo chave. É um dos cinco potenciais estruturantes, importante não só na formação profissional dos facilitadores, mas também na estruturação pessoal e social. Afinal a Escola, prepara-se para novos profissionais de Biodanza, onde os mesmos estarão muito melhor dotados, se antes de profissionais, forem melhores pessoas e melhor integrados na sociedade.

O tema da Sexualidade, em Biodanza, é uma proposta de alteração do estilo de vida, assente no prazer e no erotismo e que recorre às bases do sistema (a vivência) para que cada um possa despertar a fonte do desejo e depois elaborar o que fazer com ela. Isto remete para as etapas, que Rolando Toro definiu como essenciais de integrar, para uma vivência de sexualidade plena, sendo elas:

  • Despertar a fonte do Desejo
  • Expressão do Desejo
  • Realização do Desejo
  • Elaboração do Prazer

“Sexualidade e vida estão indissoluvelmente ligadas. O desejo sexual constitui uma forte motivação para viver. A sexualidade humana adquire expressões emocionais, efetivas e de refinamento de grande importância.

ROLANDO TORO

Rolando, refere-se ao facto de a energia erótica ser uma energia cósmica, geradora de vida. Entretanto na actual cultura os prazeres (erotismo) a que nos podemos permitir, são apenas aqueles que servem a economia: ter uma bela casa, um belo carro, um telemóvel de topo, uma viagem para um resort. Tudo implica a troca de muito dinheiro e o enriquecimento de alguém. Uma triste compensação que origina um esquema perverso que nos afasta daquilo que realmente importa: a simplicidade do prazer, desde o acto de fazer amor, olhar o mar, sentir o sol na pele, passear no campo, conversar com os amigos, conviver com a família.

É por aqui, que vamos andar e danzar, durante o fim-de-semana de 12 e 13 de novembro, vivenciando e experimentando os caminhos do prazer, com o melhor e mais poderoso instrumento que (re)conhecemos: um corpo vivo, pleno de instinto, sensação, emoção, sentimento e pensamento, em profunda interação consigo mesmo, com o outro e com os outros.

Imperdível!

A Vida ao Centro